Vamos destralhar?

Bagunças aleatórias – Prateleiras do quarto

Retomando a série de posts “Bagunças Aleatórias” (o primeiro foi publicado em Novembro! Não viu? Leia aqui!), o próximo item da minha lista eram as minhas prateleiras do quarto! 
Tenho três prateleiras no meu quarto, onde costumo colocar objetos que tem um significado especial para mim, além das minhas velas. Essas prateleiras e a minha mesa de cabeceira são as únicas superfícies expostas no quarto. Ou seja: é nelas que as tranqueiras do dia-a-dia se acumulam! Com o tempo, o que costumava me deixar feliz passou a incomodar bastante pois elas começaram a ficar bagunçadas. Demorei a tomar coragem para encarar esse destralhe, mas finalmente o fiz na noite passada.
A primeira prateleira (foto acima), era dedicada aos itens mais decorativos (minhas velas, lembranças de viagens e estatuetas), por ser a mais alta e inacessível. A segunda, que fica mais próxima a porta e ao alcance das mãos, era a mais bagunçada e aleatória (primeira foto abaixo). Por fim, a última, por ser a que fica sobre a parte da cama onde minha cabeça fica ao dormir, armazenava meus poucos bichos de pelúcia (sabe como é, acho que ia doer menos ser atacada por um ursinho de pelúcia do que por uma vela durante a noite…).
Além das coisas que estavam nas prateleiras quando tirei as fotos, elas também costumam acumular as muitas garrafas de água que bebo durante a semana (especialmente a prateleira mais próxima à entrada do quarto) e eu tenho o hábito de prender minhas presilhas de cabelo nos suportes quando estou deitada.
No final do processo acabei separando quatro objetos para mandar embora, que era um número dentro das minhas expectativas já que nos últimos três meses venho queimando o maior número de velas possíveis para diminuir a bagunça que as prateleiras estavam acumulando. No final, acabei com apenas aqueles objetos que me deixam mais feliz.
Na primeira prateleira do lado esquerdo mantive dois elefantinhos esotéricos que tenho já há alguns anos, uma miniatura do Jardim Botânico de Curitiba (que costumava ser um vaso de grama) e uma action figure do Darth Vader.
Ao centro está minha lanterna em formato de estrela, comprada na Feira Beira Mar de Fortaleza, e um funko do Han Solo presente dado pela minha melhor amiga (beijo!) no Natal do ano passado.
Do lado direito está meu Bumba-Meu-Boi comprado na minha visita a região de Cumbuco, um elefante esculpido em pedra-sabão e uma miniatura de um ovo Pêssanka, comprado na Feira do Largo da Ordem, em Curitiba.
Na  prateleira inferior do lado da porta, mantive uma Nossa Senhora esculpida em pedra, presente ganhado da minha mãe há muitos anos atrás que leva em seu pescoço um pequeno terço ganhado no nascimento de um dos meus priminhos mais novos. Ao lado está um cofre de lata do Paul Frank, onde tenho depositado o dinheiro do desafio das 52 semanas, uma miniatura da Torre Eiffel que eu mantinha na minha mesa do escritório e uma miniatura de São Francisco de Assis, ganhado de uma colega de trabalho quando minha cadelinha Bella morreu há uns anos atrás. Apesar de não ser religiosa mantenho alguns símbolos de diversas religiões pois gosto dos seus respectivos significados! Acabei esquecendo de fazer isso antes de tirar as fotos, mas adicionei uma pelúcia do Frango (daquele desenho, A Vaca e o Frango, lembra-se?), ganhado quando eu tinha uns 14 ou 15 anos da minha mãe.
Ainda na mesma prateleira, tenho um porta velas de vidro, parte de um kit de 3 peças ganhado no meu aniversário do ano passado da minha mãe, onde “guardei” uma vela massageadora Looking for Love na essência Amora com Creme, da Empório Body Store, um porta velas (resquício de outra vela massageadora da Body Store, dessa vez de Chocolate com Morango no tamanho grande) com as pétalas do primeiro buquê de rosas que ganhei do meu namorado e uma vela em formato de flor, comprada (também) na Feira do Largo da Ordem, em Curitiba. Por último, um porta retrato com uma foto da minha família, tirada no aniversário da minha mãe há alguns anos atrás (sim, essa sou eu de cabelos curtinhos!).
Por último, apesar de não ser muito o meu perfil, tenho algumas pelúcias na última prateleira, assim como um projetor ganhado do meu namorado no Natal do ano passado. Uma miniatura do Domo Kun, comprado na galeria Sogo Plaza, no bairro da Liberdade aqui em São Paulo, uma ursinha, ganhada do meu namorado no nosso segundo encontro (lindo da minha vida!) e uma pelúcia do Simba, ganhada da minha mãe quando assistimos ao musical O Rei Leão (sou muito apegada a essa pelúcia em particular).
O resultado final é esse acima. Estou super feliz e não consigo parar de olhar para essas fotos! Apesar de ainda possuir uma quantidade razoável de objetos nas prateleiras, me comove saber que cada um deles representa uma pessoa ou uma fase da minha vida. Todos têm importância, pelo menos por enquanto. Quando organizei essas prateleiras pela primeira vez sob uma ótica minimalista estipulei a regra de limitar esse espaço para todo e qualquer tipo de decoração que quisesse ter em meu quarto. Ou seja, se ficar muito carregado devo revisitá-las e praticar o desapego.
E vocês? Têm algum tipo de estante ou prateleira que merece um pouquinho de atenção e carinho por aí? 😉
Compartilhe esse post nas suas redes sociais!

6 Comentários

  • Anônimo

    Oi Tate

    Achei Lindas suas prateleiras, mas não quero de jeito nenhum na minha casa kkk tenho uma estante na sala, mas que tem um mínimo de ítens. Pra mim significa menos despesas, menos preocupação, menos manutenção e menos perda de tempo com todas as responsabilidades que muitos ítens, quando incorporadoa à nossa vida, nos trazem.

    Beijos, Adriana

  • Vanessa

    Que legal…adorei suas prateleiras!! Eu já fui de ter bem mais objetos mas desde que conheci o minimalismo desapeguei de muitos objetos e fiquei com poucos. Tenho até alguns espaços vazios. Antigamente eu vivia comprando certos objetos quando viajava mas de 2 anos pra cá só trago coisas que uso até acabar e que não juntem pó. Peguei uma certa aversão a ficar comprando coisas pra expor, que não tenham uma finalidade e p/ juntar pó sabe? Tenho poucos objetos expostos mas que, assim como vc, contém alguma história ou lembranças.

  • Tatiana Lopes

    Anna, eu quem tenho que te agradecer pelo novo visual do blog! Gostei muito do seu e fui dar uma olhada no site onde você o encontrou rs. Respondendo sua pergunta, na verdade tenho uma série de posts falando sobre várias partes do processo, mas seu comentário me deu a ideia de fazer um post central reunindo todas as histórias. Obrigada (novamente!) pelo insight!
    Besos!

  • Tatiana Lopes

    Vanessa, obrigada!! Eu costumava ter uma estante cheia, além dessas prateleiras. Minha mãe não me deixou tirá-las do quarto (acredita?) então resolvi aproveita-las para deixar o lugar mais pessoal. A respeito das viagens, sei como você se sente… Metade do que eu trouxe de algumas já mandei embora, então hoje em dia sou muito mais cuidadosa!
    Besos!

  • Tatiana Lopes

    Adriana! hahaha eu troquei exatamente a estante pelas prateleiras! Peguei pavor de coisas pelo chão! Você já viu como era meu quarto antes?! A maior vergonha! Não sirvo para manter uma estante sob controle. 🙁
    Besos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *